sábado, 15 de dezembro de 2012

if our love's insanity why are you my clarity?


                Abriu o sorriso como quem desabrochava, abaixando o rosto tentando esconder o rápido momento de vulnerabilidade. O que estava acontecendo? Onde estava a menina tão dona de si e de seus sentimentos? Aquela que prometeu nunca mais se apaixonar.
                Olhou para ele confusa, procurando resposta em seus olhos. Ele respondia com mais confusão, nunca entendendo o que se passava ali. Tentou se aproximar e ela encolheu na cadeira tentando fugir, então apenas passou a mão em seus cabelos e riu.
                “Adoro os seus cachos.”
                “Eu sei, sempre diz isso. Mais uma cerveja?”
                “Você sempre muda de assunto assim?”
                “Que?”
                “Me diz algo que eu não saiba sobre você.”
                “Essa pergunta é minha.”
                E virou o resto do copo, se perguntando por que tantos anos depois ainda continuava com os mesmos maus hábitos. Sempre a mesma pergunta, mas com respostas cada vez mais distintas, mesmo que verdadeiras. Olhou mais uma vez nos olhos, gostava deles. Eram meigos, lembrando os dela própria. Talvez fosse isso o que tanto a atraia, essa falsa semelhança imaginada entre eles.
                Deixou as mãos se encontrarem e os dedos automaticamente se entrelaçaram, como um antigo vicio. Sorriu mais uma vez, quase rindo. “Talvez seja só a cerveja. É, com certeza é isso.” Continuava repetindo mentalmente enquanto conversavam e seu corpo cada vez mais se inclinava em direção a ele. Beijaram-se mais uma vez de forma longa e intensa, incomodando todos ao seu redor como sempre faziam.
                “Me leva daqui.”
                “Como?”
                “Pra qualquer lugar, me leva para onde você quiser ir.”
                “Tem certeza?”
                “Não.”
                “Então ta.”
                E naquela noite ambos sumiram. Buscou-se por anos e meses encontrá-los novamente, mas sempre em vão. As únicas mensagens esporádicas consistiam de apenas uma palavra: Alegria.


9 comentários:

Anônimo disse...

viu. s'o ele ganha post.

Julia Malaguti disse...

E você queria que eu fizesse posts para quem?

Anônimo disse...

pra outro cara j'a se ele nao 'e mais namorado.

Julia Malaguti disse...

Você não faz ideia de quantos "outros caras" existem, né?

Anônimo disse...

tomara... e que um, um dia, seja eu. e nenhum mais seja ele.

Julia Malaguti disse...

Depende de qual ele você está falando. Alguns pertencem ao passado, outros ao presente e sobre o futuro não pretendo arriscar.
Agora você.... é, comentários em anonimo no blog não são muito efetivos. Especialmente considerando algumas pessoas que eu sei que transitam por aqui.

Anônimo disse...

Quem transita? Estou falando do seu namorado Igor, achei que estava claro e do meu ci'ume porque sempre te achei linda.

Julia Malaguti disse...

Quem? Tem a maluca da Clarice que aparentemente não tem nada melhor pra fazer com a vida dela, então assombra a minha.
E desse daí não precisa ter ciume não, já que ele pertence ao meu passado.

Anônimo disse...

caguei pras suas amiguinhas, n'e