sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Eu quero o seu cheiro no meu cabelo, a sua mão na minha, o desaparecer das horas.

O pequeno bar cheirava a mofo e cigarro, a fumaça dificultava o respirar. As pessoas amontoavam-se pelo lugar, seis sentavam em volta de uma pequena mesa para quatro com garrafas espalhadas enquanto gritavam algo incompreensível, algumas juntavam-se no balcão, olhando maldosamente para os que conseguiam sentar.
Achava difícil se concentrar nos rostos a sua volta, misturavam-se uns nos outros, menos no que se encontrava a sua frente. A beleza chamava a atenção, de quem quer que fosse, com os olhos azuis e o cabelo loiro preso em um rabo de cavalo, chegava a incomodar quando ria das piadas sem graça feitas ao acaso, fazia-o irresistível. Batiam cigarros e esvaziavam copos, falando sobre a vida e o mundo, as mãos dadas por debaixo da mesa. Toca-lo tornava a sensação de olhá-lo quase insignificante, mesmo com as pontas dos dedos dormentes.
Encontrar as palavras parecia difícil, havia tanto e tão pouco a ser dito, pareciam perder-se na musica de fundo. As luzes em volta piscavam, a tv ligada emitia um zumbido incomodo, o ambiente dissolvia-se lentamente, como açúcar na água. Casacos escondiam corações acelerados, apertados, enquanto vozes falhas revelavam passados manchados.

2 comentários:

Amy disse...

1 comentário(s)

Rice disse...

é engraçado ler seus textos pq parece q estou lendo a mim mesmo...
hahah
entrei aki pq amo ver a arte dos outros..principalmente se for com palavras
um beijo, e gostei mt =p