sábado, 2 de fevereiro de 2008

earthquake.

A verdade é que eu gosto. Gosto dessa dormência que domina o corpo, do azedo por trás dos dentes, de ter meus músculos relaxados e minhas palavras descontroladas. Gosto de morder meu lábio inferior com força e não sentir, de estalar os dedos sem ter a menor idéia se doem, de olhar para você e sorrir.
Gosto até demais.

2 comentários:

Rodrigo disse...

o que você gosta mesmo é de encher a cara.

prontofalei.

Isadora disse...

Quanta poesia em tanta cana fermentada...