terça-feira, 23 de setembro de 2008

I don't believe that anybody feels the way I do about you now.


Ele é todo olhares, e eu sou o adeus. Todo risos, abraços e chamegos; e eu o medo. É as sete da manhã da primavera com pássaros a cantar, a covinha do sorriso sonso; eu o mais escuro da madrugada. Todas aquelas coisas que não entendo juntas, a falta de significado na lógica; e eu as palavras. É o resumo, o bruto, o sucinto; eu sou prolixa até o fim. Ele é vontade; eu sou necessidade.

6 comentários:

R.Laplace disse...

O melhor que já li seu...
qual foi a inspiracao?
mt bom mesmo
final magnific!

Noelle Bilbáo disse...

Ahhh... o amor!
hauhauahuah

B. disse...

Que lindo! Mito, muito, muito bom mesmo.

Olha, eu estou esperando, ok? Já até escolhi a roupa. Sabes o que vais usar?

E, bem, o meu blog está surtando e não quer nem mudar o layout, muito menos adicionar links. GR!

Beijos!

a Prinçusa disse...

deste lado é outono.


*

Gian disse...

Mudando os gêneros dos sujeitos, a idéia cabe para mim também. :(

B. disse...

Dona Julia Sumida, seu Meme a aguarda em meu blog.

Beijos!