quarta-feira, 5 de maio de 2010

'Cause I've been dreaming a lie.


Acho que tudo o que sempre quis foi uma historia de princesa, com príncipes, bruxas e castelos. Daqueles mais comuns mesmo; com o clichê de ser raptada e depois resgatada com um beijo, ou um sapatinho de cristal. Queria um reino todo meu, colorido, de chuvas quando se está triste, e alguém para lutar por ele, ou por mim. Sonhei com isso por muito, muito tempo, talvez até mais que o considerado normal, até a realidade me arrombar a porta e com isso o meu conto de fadas.
Descobri que o príncipe não monta um cavalo branco, pois este não existe, e só me sobraram os lobos disfarçados, prontos para explorar meu sorriso, boca, olhos, coração, corpo e alma se pudessem, tudo com a voz mais sedutora. Vi as cores do meu reino de faz de conta de desfazerem, mudarem e remontarem, para depois descobri-las escondidas em fumaças, ou papeis de gosto ácido, mesmo assim diferentes, ilusórias e passageiras, apenas até o raiar da manhã quando voltava a ser a gata borralheira de maquiagem manchada. Senti meu castelo ruir e tomar novas formas, talvez de uma choupana, não ruim, mas diferente, não era mais o que conhecia, o cheiro mudou. Pior de tudo, percebi nunca ter sido princesa, sequer princesinha, e sim a minha própria madrasta, com maçãs envenenadas para me seduzir, enquanto me aprisionava na torre mais alta do castelo, sozinha e assustada.

4 comentários:

Branca disse...

Eu me vi aí. Ninguém faz mal pra gente, a gente faz mal pra gente. E eu sou muito repetitiva.

Mariana Stutz disse...

Você ainda não reparou no meu cavalo branco?

Te dei as rédeas dele quando nos conhecemos; tenho quase certeza de que você as segurou ou, ao menos, tocou nelas; porque seus textos têm sempre um certo domínio sobre a rebeldia da crina esvoaçante da minha mente-cavalo-alado.

E eu sou brega; mas é meu jeitinho brega de dizer que você é princesinha no castelo humilde do meu coração. Hihi.

Christiano Scheiner disse...

lindo conto-poema ou poema-conto disfarçado de outra coisa: dessas da memória e da máscara, dessas deste reinado feito em letras. bjs

Clarissa Braga disse...

Eu gosto de pensar que na verdade tudo isso foi inventado para que nós aprendessemos que sonhar é gostosinho, mas acaba. É bem verdade que viver como uma pricesa linda com vestido rosa e tiara na cabeça seria divertido. Mas será que elas brigam com os príncipes? Elas te as pazes? Não... acredito não. E acho, que eu tambem prefiro ser a madrasta de mim mesma.
Que eu me torture. Prefiro isso ao tédio.