segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

primeiro. ultimo. e unico.


Se a felicidade tivesse nome, seria o teu. Teria teu cheiro, voz e gosto. Seria asmatica, para me lembrar de respirar ao teu lado. E suada, para me aquecer mesmo no frio. Faria sempre uma piada ou outra sem graça, arrancando aquele riso solto, verdadeiro de tão inesperado. E falaria sem parar, discursando com amor, transformando cada palavra em musica. Daria beijinhos, abraços, e declarações inesperadas, derrubando barreiras construidas já não se sabe mais porquê. Sofreria de saudades, ciumes e inseguranças exagerados, ignorando o tamanho do amor mutuo. E teria todas coisas que amo em ti, detalhe por detalhe, sem faltar um único traço; já que o subjuntivo de nada serve mais, uma vez que é.

9 comentários:

R.L. disse...

Quentinho, saído do forno. Amor ( e poesia) assim que é bom.

Beijos mil.

gabs disse...

Muito bom, gostei do blog estou seguindo.

Ester Mendes disse...

Menina, amei sua escrita.

Luis disse...

"E teria todas coisas que amo em ti, detalhe por detalhe, sem faltar um único traço; já que o subjuntivo de nada serve mais, uma vez que é."

mó vontade de roubar esse trecho hahaha
perfeito, expressa muito bem a situação de sentir em outro tudo que se quer pra si.

Clarissa Braga disse...

é a frase final você fez com muito amor mesmo. Muito gostoso de ler esse texto, fiquei com um sorriso bobo no final.
saudade de você.

Maria G. disse...

Lindo texto, estou seguindo aqui.

Bianca B. disse...

Um dos mais sinceros. Que seja terno e não eterno. Que seja lindo!
Um beijo cheio de saudades, ruivinha!

Maria G. disse...

selinho pra ti no meu blog linda, http://umprofundosentimento.blogspot.com/p/selos.html

Dyandra disse...

Nossa, realmente muito bom o seu blog. Já ganhou uma nova seguidora! beijos